CFAH
Image default

Camilo Vives como uma personagem de Botero

Cubano, Camilo Vives foi o grande produtor do cinema ibero-americano. Devemos-lhe filmes inesquecíveis como La última cena, Fresa y chocolate e Guantanamera, do seu compatriota Tomás Gutiérrez Alea, e também El verano de la señora Forbes, do mexicano Jaime Humberto Hermosillo, ou Habana Blues, do espanhol Benito Zambrano. Vives acaba de falecer. O escritor Senel Paz, autor do conto que inspirou Fresa y chocolate, presta-lhe homenagem em nome de todos nós.

[:]

Escreve SENEL PAZ

Mais de cem filmes, cubanos e estrangeiros, passaram pelas mãos de Camilo Vives. Agora esse fluxo detém-se porque Camilo acaba de falecer. A morte surpreendeu-o aos setenta e um anos, ocupado num projeto, a pensar no próximo e a lutar contra a sua própria indisciplina para cuidar da saúde. Ligou-se ao cinema aos vinte anos, e desde então desenvolveu uma carreira de produtor que só se interrompeu com a sua morte, no passado dia 13 de março.

Estudou numa escola religiosa e depois frequentou estudos de Economia de Empresas, que lhe viriam a ser muito úteis e a encaixar na perfeição com a sua vocação e destino. “Economia de empresas” no seu caso quer dizer que foi contratado como contabilista nos filmes, e com as mãos na massa e a ver filmar aproveitou ao máximo a combinação e transitou rapidamente pela aprendizagem da sua futura especialidade. Para arrancar, favorecido pela sorte, produziu Lucía e La odisea del General José em 1968, e já em 1974 estava à frente da produção de filmes de ficção do Instituto Cubano da Arte e da Indústria Cinematográficos, ICAIC. Em 1989 tinha sob as suas ordens toda a produção, incluindo os documentários e desenhos animados. Nesta altura, brilhavam no seu currículo títulos tão importantes como Lucía, de Humberto Solás, La última cena, de Tomás Gutiérrez Alea, e Ustedes tienen la palabra, de Manuel Octavio Gómez, três dos mais relevantes realizadores cubanos, e também El verano de la señora Forbes, do mexicano Jaime Humberto Hermosillo.

Fresa y chocolate
Fresa y chocolate, realizado por Tomás Gutiérrez Alea e Juan Carlos Tabío, e produzido por Camilo Vives. Mais acima, na fotografia que abre esta crónica, Camilo Vives com Fernando Pérez, o realizador de Suite Habana.

Tornou-se produtor por acaso, contava nas poucas vezes que aceitava contar a sua história. Isto aconteceu em Lucía, “que realmente me correu bem”, quando, como acontece nas más histórias, o produtor oficial adoeceu e a vaga ficou livre para o novato. Não é assim tão certo: tornou-se produtor por predestinação, e pouco a pouco a produção chegaria a abranger praticamente tudo na sua vida.

Camilo praticamente não tinha vida extracinematográfica. Numa entrevista com o cineasta e escritor Arturo Sotto, uma das poucas que concedeu e possivelmente a melhor, lembra esses momentos da sua vida do modo seguinte: “Era um espírito de grande amor, de entrega a uma obra cinematográfica em que não pesavam nem as horas extra, nem a jornada de trabalho, nem os cargos. Havia uma comunicação na qual todos trabalhávamos por um objetivo único: o filme”. Esse espírito marcou-o e acompanhou-o sempre, e quando sentiu que começava a falhar, que se desvanecia, começou a sofrer e a envelhecer, embora não tenha desistido nem um só instante. Sempre pertenceu aos “velhos tempos”, aqueles em que o filme era a estrela polar e as siglas ICAIC um estado de espírito e de luta.

Mas na altura, como uma incansável e elegante personagem de Botero, entrou nos aviões com uma mala vazia e foi para a Europa e América Latina reinventar o conceito de coprodução

Foi a sua vez de dançar com a mais feia durante muito tempo no chamado Período Especial, aquele parêntesis e descida ao Inferno da economia cubana que sucedeu à queda e desaparecimento da União Soviética e do chamado campo socialista. Mas na altura, como uma incansável e elegante personagem de Botero, entrou nos aviões com uma mala vazia e foi para a Europa e América Latina reinventar o conceito de coprodução, que já conhecia de épocas mais calmas quando a Revolução Cubana era uma novidade e se filmou com França, Itália, a União Soviética, a Checoslováquia.

Ia, literalmente, para seduzir. E conseguiu. Só podia oferecer o talento dos artistas que representava, a força das histórias e das personagens da ilha de onde vinha, a sua fé e amor pelo cinema cubano exprimido em parlamentos de vinte e quatro palavras por segundo. Novamente, aprendeu muito depressa conceitos de produção e mercado a que não estava acostumado, e não só obteve os orçamentos e contratos necessários, como algo muito mais importante e definitivo na sua vida: uma vasta rede de amigos e colegas, entre produtores de diversas partes do mundo que o aceitaram no ramo de boa vontade e o distinguiram com amizade e respeito e estabeleceram um marco de equivalência entre cinema cubano e produtor Camilo Vives.

Sancho, Camilo, Tony, Gabo
Sancho Gracia, Antonio López, Camilo Vives y Gabriel García Márquez.

A esta fase pertencem os filmes El siglo de las luces, de Humberto Solás, y Fresa y chocolate e Guantanamera, de Tomás Gutiérrez Alea. Não só produziu a favor da cinematografia cubana, mas também para a de outros países e realizadores latino-americanos, como Federico García e Alberto Durán, do Peru; Miguel Littín e Patricio Guzmán, do Chile; Jorge Alí Triana e Sergio Cabrera, da Colômbia, e muitos mais.

Em 2001, como mostra do prestígio e da confiança profissional e pessoal que conquistara, foi eleito presidente da Federação Ibero-americana de Produtores Cinematográficos e Audiovisuais, FIPCA, cargo que ocupou até à sua morte. Também era membro do International Quorum of Films and Video Producers, e o seu trabalho foi distinguido com inúmeros prémios e condecorações em Cuba e no estrangeiro.

Habana Eva
Habana Eva, realizado pela venezuelana Fina Torres.

Era do bando dos “Sim”, do “Vamos tentar”, do “Vamos correr o risco”, dos projetos difíceis e contra a corrente como Fresa y chocolate o Habana Eva, da venezuelana Fina Torres, ou Suite Habana, de Fernando Pérez; com Cuba na moda e Cuba fora de moda, como no caso da série Cuba, caminos de Revolución, de sete capítulos, coproduzida com Espanha e filmada por realizadores cubanos.

Rapidamente despertou nele o mestre, a preocupação com o futuro. Foi professor do Instituto Superior de Arte de Cuba, ISA, e transmitiu os seus conhecimentos em diversos palcos, especialmente no dia-a-dia. Também não se limitou à formação de novos produtores, tendo apadrinhado com entusiasmo projetos de progresso e oficinas de qualquer especialidade, particularmente na área do argumento, ao mesmo tempo que teve sempre um olhar atento sobre o talento dos novos realizadores.

No que ao cinema se refere, preocupava-o igualmente o passado e o futuro, o património e o recente, o feito e por fazer. Muitos filmaram o primeiro filme graças a ele ou com a sua ajuda, desde Tres veces dos, em 2004, que marca a estreia de três jovens realizadores cubanos (Esteban García Insausti, Pavel Giroud e Lester Hamlet), até dois dos seus últimos títulos: La piscina, primeira obra de Carlos Machado Quintela, e Juan de los muertos, o segundo de Alejandro Brugués, ambos de 2011, passando por Habana Blues, de Benito Zambrano.

Falava mais depressa do que os disparos de uma metralhadora. Para decifrar a sua linguagem, às vezes era preciso sentar-se na ponta da cadeira, adiantar o corpo, prestar muita atenção e tentar ler-lhe os lábios ao mesmo tempo que se abriam bem as orelhas. Como quase todos os produtores, era muito concreto e direto e chegavam-lhe cinco minutos para dizer o que havia a dizer. A partir desse ponto descontraía e começava a conversa amigável e bem-disposta. Não era pessoa de mexericos mas sim de conversas, tinha um riso frequente e divertido que às vezes acompanhava com saltinhos sobre as pobres cadeiras que o sustentavam.

Adorava cantar e fazer pequenas incursões como ator. No filme Mi socio Manolo, lá canta, fuma e representa, vestido de branco, se bem me lembro, e com cara de ter acabado de jantar

A sua segunda paixão, depois do cinema, era provavelmente a comida. Obrigado pela saúde e pelas armadilha do seu metabolismo, frequentemente tinha de fazer dieta, mas as suas dietas mais estritas costumavam começar com uma fabada e acabar em sobremesas e um charuto que fumava e observava com o mesmo deleite. Dir-se-ia que não, mas gostava de caminhar e fazia-o imitando um pouco os patos, lento e com uma respiração grossa. Também adorava convidar para almoços ou jantares, e ser convidado, pagar, conversar, resmungar, cozinhar, distribuir pequenos estímulos e castigos. Se pudesse, dava uma arranhadela, como bom produtor. Especializou-se em fazer muito com pouco e às vezes com nada.

Adorava cantar e fazer pequenas incursões como ator. No filme de Julio García Espinosa, Mi socio Manolo, vemo-lo a desfrutar de várias destas fraquezas ao mesmo tempo: lá canta, fuma e representa, vestido de branco, se bem me lembro, e com cara de ter acabado de jantar. O branco, o bege e outro tons pálidos, o linho, o fio e o algodão eram as cores e tecidos que a sua esposa, Cecília, reservava para o manter elegante, para lhe dar aquele toque de distinção e potentado que também fica bem nos produtores, embora, no seu caso, o capital tendesse para o zero. A sua riqueza consistia no seu otimismo e na sua natureza de lutador nato. A sua gordura envolvia um coração talvez demasiado vulnerável aos enredos de salão e da política. Sofreu incompreensões que o ressentiram muito. Desde aquelas tardes em que descobriu o cinema nos filmes do oeste que tinham lugar na sala Country de Santa Fé, no oeste de Havana, aos seus últimos dias no Vedado e nos hospitais, tornou-se uma espécie de personagem escorregadia e um pouco triste que ele próprio teria produzido. Quando o cinema lhe começou a escassear, quando não teve o suficiente, também lhe faltou o oxigénio e começou a declinar. O seu desaparecimento deixa um vazio, um vazio enorme, como corresponde, mas também muita obra que o torna impossível de esquecer, como uma personagem de Botero, impassível e calada, que olha para nós de qualquer sala de cinema.

Este sitio web utiliza cookies para mejorar su experiencia. Asumiremos que está de acuerdo con esto, pero puede optar por no participar si lo desea. Aceptar Leer más

Política de cookies y privacidad