CFAH
Image default

O ICAIC (INSTITUTO CUBANO DEL ARTE E INDUSTRIA CINEMATOGRÁFICOS) FAZ 60 ANOS

O Instituto Cubano del Arte e Industria Cinematográficos (ICAIC) foi criado a 24 de março de 1959, três meses após o triunfo da Revolução, mediante uma lei que salientava que o cinema é o mais sugestivo meio de expressão artística e de divulgação, e o mais direto e alargado veículo de educação. Sessenta anos mais tarde, não só os cineastas cubanos mas todos os criadores da cultura ibero-americana celebraram o novo aniversário redondo do ICAIC, reconhecendo o papel fundamental do Instituto nas iniciativas de organização multilateral de instituições incontornáveis no desenvolvimento e crescimento da cinematografia da região como o Comité de Cineastas da América Latina e a Fundação do Novo Cinema Latino-americano, que mais tarde deram origem à Conferência das Autoridades Audiovisuais e Cinematográficas Ibero-americanas (CAACI).

[:]

ICAIC_logo antiguoA criação do ICAIC representou nessa altura a importância de uma política cinematográfica para um país, e ao longo destes sessenta anos serviu de grande escola para inúmeros profissionais e técnicos do audiovisual em toda a Ibero-América, além de promover e facilitar a formação constante dos cineastas cubanos, hoje largamente reconhecidos e premiados em todo o mundo.

O ICAIC nasceu a 24 de março de 1959 com a Lei número 169 do recentemente instalado Governo Revolucionário da República de Cuba, assinada por um Fidel Castro que então exercia como Primeiro-Ministro. O texto fora redigido pelo jovem ministro da Educação, Armando Hart Dávalos, que definia: “o cinema é uma arte”.

O seu primeiro artigo explicava que a finalidade do ICAIC era “organizar, estabelecer e desenvolver a indústria cinematográfica, com base em critérios artísticos enquadrados na tradição cultural cubana”.

O impacte foi imediato: só nos seus primeiros dez anos possibilitou a realização de obras-primas do audiovisual no continente como El noticiero ICAIC Latinoamericano, realizado por Santiago Álvarez, primeiro do género no mundo e posteriormente declarado “Memória do mundo” pela UNESCO, bem como clássicos continentais como Memorias del subdesarrollo, de Tomás Gutiérrez Alea, ou Lucía, de Humberto Solás.

O ICAIC permitiu também um desenvolvimento mais complexo de entidades cinematográficas – neste caso de visibilidade e ponto de encontro, à falta de mercados propriamente ditos – como o Festival de Havana, e pôs as suas instalações e o seu pessoal técnico e profissional altamente qualificado ao serviço de cinematografias incipientes ou menos desenvolvidas.

Tal como é admitido pela maioria dos cineastas latino-americanos, tanto os que estavam a começar nesses anos como os que se seguiram, o apoio dado pelo ICAIC a outras cinematografias é incalculável. Contribuiu para a realização de muitos filmes, facilitou os seus serviços de montagem e pós-produção (dos melhores, nessa altura e ainda hoje) e acolheu solidariamente cineastas de outros países perseguidos pelas suas ideias ou compromissos políticos.

A transcendência do ICAIC foi particularmente notória no desenvolvimento de outras cinematografias das Caraíbas, das Antilhas e da América Central.

VENTRE DO FESTIVAL DE CINEMA LATINO-AMERICANO

Tal como Paquita Armas Fonseca escreve em Cubahora, o ICAIC foi “ventre da Cinemateca de Cuba, da revista Cine Cubano, foi Unidades Móveis para levar o cinema a sítios intrincados, e posteriormente [foi ventre também] do Festival de Cinema Latino-americano e da Escola Internacional de Cinema de San Antonio de los Baños, estes dois últimos com colaboração internacional”.

“Dia de festa para a cultura nacional. O ICAIC, primeira instituição cultural da #RevoluçãoCubana, comemora 60 anos. A sua obra, latino-americana e universal, orgulha a nação”, escreveu na sua conta de Twitter Miguel Díaz-Canel, Presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros de Cuba.

“Feliz aniversário #60 àqueles que fundaram, fizeram e apoiam, com originalidade e empenho, a Arte e a Indústria da cinematografia cubana e da América Latina. Obrigado pela obra. #CubaÉCultura #SomosCuba #SomosContinuidade”, acrescentou o mandatário.

O programa da jornada de comemoração dos sessenta anos da indústria cinematogáfica de Cuba incluiu a apresentação especial dos documentários El sueño y la vida, de Rafael Rey, e Retrato de un artista siempre adolescente, de Manuel Herrera, este último sobre as seis décadas da indústria cinematográfica na ilha e, em particular, sobre o nosso querido Julio García Espinosa, um dos fundadores do ICAIC.

“Este ágape não é para menos”, finalizava o seu texto Armas Fonseca. “O cinema cubano é, no conjunto, uma obra da Revolução cubana: antes de 1959 eram filmadas co-produções com o México, exceções para confirmar a regra”.

Além dos documentários referidos, nestes dias será inaugurada a livraria especializada Gérard Philipe, “um verdadeiro presente para os cinéfilos”.

Este sitio web utiliza cookies para mejorar su experiencia. Asumiremos que está de acuerdo con esto, pero puede optar por no participar si lo desea. Aceptar Leer más

Política de cookies y privacidad